E salvai alguns com temor, arrebatando-os do fogo... Judas 1:23

15 de julho de 2016

Pokémon Go, o perigo espiritual na realidade aumentada


Usando um aplicativo no smartphone, milhares de pessoas estão saindo de suas casas para caçar Pokémons. Quando algum monstrinho se encontra no ambiente, seja na praça, quarto de hospital ou até mesmo em uma igreja, basta ao jogador direcionar o celular, que o monstrinho é avistado em meio ao mundo real.

Atirando "bolinhas" o caçador de Pokémons poderá assim capturar a criatura colorida e inofensiva.

Com o grande sucesso de Pokémon Go (o aplicativo pode ser liberado no Brasil nos próximos dias), logo outras companhias estarão lançando games de Realidade Aumentada com temas eróticos e de terror. É aí que começa o perigo espiritual.

Imagine alguém perambulando pela cidade caçando demônios? O que pode parecer algo inofensivo, resultará numa possível comunicação entre o mundo espiritual e o mundo físico.

Espíritos malignos poderão com essa comunicação levar muitos ao engano espiritual, doutrinas diabólicas e a maldade, como a violência e o suicídio, sem falar na esquizofrenia e a possessão maligna.

Com relação aos temas eróticos, clubes de strip e outras do segmento poderão colocar mulheres nuas na porta ou nas esquinas das ruas seduzindo os "clientes".

A tecnologia da Realidade Aumentada poderá trazer sim muitas armadilhas diabólicas, mas não podemos descartar o fato de que poderá também ser utilizada para o bem, como a medicina ou mesmo o trânsito.

Até mesmo a igreja poderá se utilizar dessa incrível tecnologia, imagine como seria um evangelismo virtual, cristãos evangelizando o mundo sem precisar estar no local, países onde o evangelho é proibido, e onde missionários são mortos, pregadores anunciando o evangelho da salvação mesmo estando há milhares de quilômetros de distância.

Bem vindos a tecnologia da Realidade Aumentada, bem vindo ao futuro, use com moderação e sabedoria.

2 de novembro de 2015

O reino da fantasia evangélica

Pastor Lucinho fantasiado de Superman sendo carregado pelos irmãos da igreja

Lendo uma revista muito famosa, me deparei com um artigo muito interessante que me fez lembrar de muitas igrejas. Vou tentar passar algumas informações:

- Em uma cidade relativamente próspera de Minas Gerais, uma pesquisa de opinião mostrou que três de cada quatro jovens reclamam da falta de diversão. Apesar dos esgotos serem jogados in natura nos córregos, nem mesmo entre os adultos houve reclamações quanto à falta de saneamento. Embora sabidamente, esse é o investimento que mais faz cair a mortalidade infantil.

- Na América Latina as pessoas querem medicina de alta tecnologia e bom atendimento hospitalar. Contudo, a saúde pública preventiva é mais barata e evita as doenças.

- No Brasil, 65% dos entrevistados estão satisfeitos com a educação. Somente os mais educados percebem como ela é ruim.

Os governantes se equilibram em um terreno resvaladiço, se tentam oferecer o que trará mais progresso e desenvolvimento, sem ouvir o povo, arriscam-se em perder sua popularidade.

E na nação evangélica?

Tenho acompanhado desde a minha infância, pastores que oferecem ao povo "diversão", aqui na minha cidade eles chamam os congressos evangélicos de "festa da mocidade, festa do círculo de oração, festa das crianças", com muitos cantores, pregadores, pipoca e cachorro-quente, e ainda assim muitos reclamam que falta "diversão nas igrejas", enquanto o esgoto da heresia e da politicagem corre a céu aberto dentro das mesmas igrejas.

"Aqui na minha cidade 
eles chamam os congressos evangélicos 
de 'festa da mocidade, 
festa do círculo de oração, 
festa das crianças',
com muitos cantores, 
pregadores, pipoca e cachorro-quente"

Participei de cultos onde simplesmente a razão e o bom senso davam lugar ao "barulho santo" e ao movimento extravagante, tudo em nome do pentecostalismo da rua Azusa. No meio do povo irracional e sem o verdadeiro conhecimento das Escrituras, o que se vê são um bando de gente que vai em busca de emoção e graça (não a graça de Deus), uma graça por parte do animador de auditório (preletor/pregador/pastor).

Certa feita o deputado Marco Feliciano (ainda não era famoso) estava animando o povo em um congresso de jovens, pra colocar fogo no culto (seria um culto a Deus?), resolveu saltar de cima do altar que media pouco mais de 1,5 metros, aquele ato muito bem pensado, simplesmente arrancou um eco de glória a Deus e aleluia da multidão, dá pra acreditar? Nos tempos dos Apóstolos dava-se Glória a Deus pelos milagres operados (Atos 3.8-9), nos dias de hoje, basta um animador de auditório pular de cima do altar para os espectadores gritarem e pularem na igreja.

"Participei de cultos 
onde simplesmente a razão e o bom senso 
davam lugar ao "barulho santo" e ao movimento extravagante.

Os governantes se equilibram em um terreno resvaladiço, se tentam oferecer o que trará mais progresso e desenvolvimento, sem ouvir o povo, arriscam-se em perder sua popularidade. E os mais variados pastores se tentam oferecer o que trará progresso espiritual ao povo de Deus, arriscam-se também em perder sua popularidade, afinal, o povo quer alegria ao invés de progresso.

Bispo André Santos

31 de outubro de 2015

75% dos brasileiros não conseguem interpretar um texto da Bíblia corretamente




Segundo uma recente pesquisa, 75% dos brasileiros não conseguem ler e interpretar um texto corretamente.

Veja alguns dados:

A pesquisa Inaf do IPM - Instituto Paulo Montenegro - evidencia a situação precária do ensino no país. 68% [dos brasileiros] são considerados analfabetos funcionais, e 7% de analfabetos absolutos; isto significa que 75% dos brasileiros não conseguem ler e interpretar textos.

Apenas 26% dos brasileiros com idade entre 15 e 64 anos têm domínio pleno da leitura. Outros 68% são considerados analfabetos funcionais, ou seja, identificam letras e palavras, mas não conseguem usar a leitura no cotidiano.

Com os 7% de analfabetos absolutos, são cerca de 75% com deficiência de leitura. Os números (que estão com percentuais arredondados) estão no 5 Indicador Nacional de Alfabetismo Funcional (Inaf), coordenado pelo Instituto Paulo Montenegro (IPM), braço social do Ibope, e pela ONG Ação Educativa.

O Título da postagem

Levando em consideração que 75% do povo não consegue interpretar um texto corretamente, fico imaginando como deve aumentar essa dificuldade quando o texto é "sagrado".

É sabido que a Palavra de Deus contido nas páginas da Bíblia deve ser mais que interpretado, deve acima de tudo ser discernido espiritualmente, ou seja; além do leitor ter que interpretar o texto corretamente, ainda precisa da ação do Espírito Santo para entender o texto sagrado.

Daí podemos entender o porque de tanta confusão com relação as Sagradas Escrituras, e assim podemos encontrar nas mais diversas religiões tantas doutrinas errôneas, tantas heresias e tantos ensinamentos que beiram o absurdo.

Espiritismo, mormonismo, testemunhas de Jeová, adventistas, o desvio do catolicismo para doutrinas contraditórias e outras, são algumas das muitas religiões que nasceram de uma má interpretação das Sagradas Escrituras, uma má interpretação da Bíblia.

Que Deus tenha misericórdia dessa gente que vive num engano doutrinário absurdo, difundido por religiosos enganados e enganadores.

Eu só lamento da probabilidade de 75% de todos que estarão lendo esse texto talvez não consigam entendê-lo corretamente.

Que Deus dê sabedoria pro Seu povo.

Bispo André Santos

A reencarnação não está na Bíblia!




"E perguntaram a João Batista: 

Então quê? És tu Elias? 

E disse: Não sou."

João 1:21






Lendo um artigo escrito em um blog que trata acerca das doutrinas espíritas, li um estudo intitulado: A REENCARNAÇÃO NÃO ESTÁ NA BÍBLIA?

No referido artigo assinado pelo "Grupo de estudo Allan Kardec", passagens da Bíblia são utilizados (embora os espíritas neguem a veracidade das Sagradas Escrituras) afim de que a doutrina da reencarnação possa ser confirmada pela Palavra de Deus.

Vou utilizar os mesmo textos sagrados postados no artigo que se encontra no blog espírita e assim poderei dar a eles a verdadeira interpretação.

No primeiro texto, o grupo de estudo Allan Kardec se utiliza duma indagação do Senhor Jesus aos discípulos que diz assim:

- E, chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens ser o Filho do homem?
E eles disseram: Uns, João o Batista; outros, Elias; e outros, Jeremias, ou um dos profetas. Mateus 16:13,14

Segundo o grupo de estudos do espiritismo, a resposta dos discípulos de que os homens acreditavam que Jesus Cristo seria João Batista, Elias, Jeremias ou um dos profetas, partiria do princípio de que esses homens acreditavam na reencarnação.

Neste caso os espíritas estão certos, de fato existiam "homens que acreditavam na reencarnação" como também existem homens nos dias de hoje que continuam acreditando em tal doutrina.

Vamos considerar o restante do texto que diz assim:

- Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou?
E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.
E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus. Mateus 16:15-17

Podemos observar que os discípulos do Senhor Jesus citaram "esses homens que acreditavam na reencarnação", porém, quando Jesus perguntou "E vós, quem dizeis que eu sou?" Pedro respondeu:
"Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo".
Jesus concordou com a resposta de Pedro e ainda completou que quem "revelou acerca de quem seria Cristo" foi o próprio Espírito Santo.

Notemos portanto que o próprio Espírito de Deus não revelou a Pedro acerca de uma possível reencarnação de Jesus Cristo, mas revelou ao apóstolo de que Jesus não seria uma mera reencarnação como alguns homens da época acreditavam, mas sim que Jesus seria o Filho de Deus.


"E este é o testemunho de João (Batista), 
quando os judeus mandaram de Jerusalém sacerdotes e levitas 
para que lhe perguntassem: 
Quem és tu?
E confessou, e não negou; confessou: Eu não sou o Cristo.
E perguntaram-lhe: Então quê? És tu Elias? E disse: Não sou. 
És tu profeta? E respondeu: Não.
Disseram-lhe pois: Quem és?
para que demos resposta àqueles que nos enviaram; 
que dizes de ti mesmo?
Disse: Eu sou a voz do que clama no deserto: 
Endireitai o caminho do Senhor, como disse o profeta Isaías."
João 1:19-23

No segundo texto, logo abaixo, o grupo de estudo Allan Kardec citou mais um diálogo entre Cristo e os apóstolos, desta vez sobre uma possível reencarnação do profeta Elias. Vamos analisar o texto das Escrituras:
- E os seus discípulos o interrogaram, dizendo: Por que dizem então os escribas que é mister que Elias venha primeiro?
E Jesus, respondendo, disse-lhes: Em verdade Elias virá primeiro, e restaurará todas as coisas;
Mas digo-vos que Elias já veio, e não o conheceram, mas fizeram-lhe tudo o que quiseram. Assim farão eles também padecer o Filho do homem.
Então entenderam os discípulos que lhes falara de João o Batista. Mateus 17:10-13

Ao citarem essa passagem, os espíritas não explicaram o texto, apenas o citaram, e se não houver um análise detalhado, fica uma confusa impressão de que João Batista era de fato a reencarnação do profeta Elias.

Então vamos analisar o texto de Mateus 17:10-13 se utilizando de outros textos sagrados que poderão esclarecer essa aparente confusão.

Antes vamos observar o texto de Mateus 17:1-3 (o que aconteceu antes dos discípulos perguntarem acerca de Elias).

- Seis dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro, e a Tiago, e a João, seu irmão, e os conduziu em particular a um alto monte,
E transfigurou-se diante deles; e o seu rosto resplandeceu como o sol, e as suas vestes se tornaram brancas como a luz.
E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com ele.
E Pedro, tomando a palavra, disse a Jesus: Senhor, bom é estarmos aqui; se queres, façamos aqui três tabernáculos, um para ti, um para Moisés, e um para Elias. Mateus 17:1-3

No epísódio narrado acima conhecido como "O Monte da Transfiguração",  o Senhor Jesus se transfigurou diante dos apóstolos, e segundo a narrativa bíblica, "Seu rosto resplandeceu como o Sol, e Suas vestes se tornaram brancas como a luz". Os discípulos não só viram Jesus, como também apareceu junto do Filho de Deus os profetas Moisés e Elias.

Podemos assim entender que se João Batista era a reencarnação de Elias como acreditam os espíritas, podemos lembrar que João Batista era primo do Senhor Jesus, e que os discípulos de Jesus conheciam João Batista pessoalmente. Logo; quando eles viram Jesus transfigurado e com Ele Elias e Moisés, na verdade eles teriam visto Jesus, Moisés e João Batista cuja imagem estava viva em suas mentes, uma vez que João Batista havia sido morto há pouco tempo.

Como explicar então o texto que diz: E Jesus, respondendo, disse-lhes: Em verdade Elias virá primeiro, e restaurará todas as coisas;

Mas digo-vos que Elias já veio, e não o conheceram, mas fizeram-lhe tudo o que quiseram. Assim farão eles também padecer o Filho do homem.

Então entenderam os discípulos que lhes falara de João o Batista. Mateus 17:10-13

"...podemos entender que João Batista seria tão "usado por Deus" 
como foi o profeta Elias. 
O Mesmo Deus que deu poder e virtude para Elias
alguns séculos antes, iria agora, 
por o mesmo Espírito na vida de João Batista."

Vamos comparar as palavras de Jesus com o que disse o anjo do Senhor que aparece aos pais de João Batista:

- E um anjo do Senhor lhe apareceu, posto em pé, à direita do altar do incenso.
E Zacarias, vendo-o, turbou-se, e caiu temor sobre ele.
Mas o anjo lhe disse: Zacarias, não temas, porque a tua oração foi ouvida, e Isabel, tua mulher, dará à luz um filho, e lhe porás o nome de João.
E terás prazer e alegria, e muitos se alegrarão no seu nascimento,
Porque será grande diante do Senhor, e não beberá vinho, nem bebida forte, e será cheio do Espírito Santo, já desde o ventre de sua mãe.
E converterá muitos dos filhos de Israel ao Senhor seu Deus,
E irá adiante dele no "espírito e virtude de Elias", para converter os corações dos pais aos filhos, e os rebeldes à prudência dos justos, com o fim de preparar ao Senhor um povo bem disposto. Lucas 1:11-17

Observando o versículo 17, podemos entender que João Batista seria tão "usado por Deus" como foi o profeta Elias. O Mesmo Deus que deu poder e virtude para Elias alguns séculos antes, iria agora, por o mesmo Espírito na vida de João Batista.

No ministério de Elias, ele teve que converter os corações dos filhos de Israel, que haviam se desviado do verdadeiro Deus para seguirem e servirem a Baal. O propósito de Deus para a vida de João Batista era semelhante, converter o coração do povo, e assim darem ouvidos ao Messias que estava para se revelar, ou seja; o Senhor Jesus.

Ainda num dado momento alguns religioso (possivelmente alguns dos que acreditavam em reencarnação) perguntaram a João Batista:

- Então quê? És tu Elias?
João Batista prontamente respondeu "- E disse: Não sou."  João 1:21

Que Deus abençoe grandemente a sua vida.

                                                                                                                      Bispo André Santos





Copyright © 2010 Todos os direitos reservados - Ao copiar o artigo para fins de publicação, cite a fonte.


30 de outubro de 2015

Reino de Deus, o Reino de tudo ao contrário



Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes (1 Coríntios 1:27).

No reino animal e na sabedoria humana os fortes devem prevalecer, portanto, quando alguém é afrontado, deve defender-se impregnando contra o inimigo uma vingativa força maior ainda, lembrando a antiga e arcaica lei do olho por olho, dente por dente, mão por mão e pé por pé (Êxodo 21:24).

No Reino de Deus, a ordem é:
Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra (Mateus 5:39).

A regra é economizar. Poupe o máximo que você puder. Recebeu duas moedas, gaste uma e guarde a outra, para que mais tarde ela venha se juntar com muitas outras e assim os bens irão se acumular. Quanto mais você receber, mais você terá.

No Reino de Deus a ordem é:
Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando... (Lucas 6:38).
Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é mister socorrer os necessitados e recordar as palavras do próprio Senhor Jesus: Mais bem-aventurado é dar que receber (Atos 20:35).

Status, honrarias, subordinados, servos e escravos. Ter um cargo superior, ser um político ou uma  celebridade tem lá seus atrativos, o cidadão "importante" está sempre cercado de assessores.
Quanto maior é a função, maior é a equipe de serventes a disposição. Assim é o mundo e o seu poder.

Já no Reino de Deus a regra é diferente:
Mas vós não sois assim; pelo contrário, o maior entre vós seja como o menor; e aquele que dirige seja como o que serve (Lucas 22:26).

Então, Jesus, chamando-os, disse: Sabeis que os governadores dos povos os dominam e que os maiorais exercem autoridade sobre eles.
Não é assim entre vós; pelo contrário, quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse o que vos sirva;
e quem quiser ser o primeiro entre vós será vosso servo;
tal como o Filho do Homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos (Mateus 20:25-28).


Para os leitores do blog darem a interpretação correta:

Aqui no mundo, quem chega em primeiro é o campeão, e quem chega por último é o perdedor.
Já o Senhor Jesus disse: — Assim, aqueles que são os primeiros serão os últimos, e os últimos serão os primeiros (Mateus 20:16).

Participe deixando o seu comentário com a interpretação correta sobre o que o Senhor Jesus quis transmitir com essas palavras.

Que Deus abençoe grandemente a sua vida.


Bispo André Santos

Copyright © 2011 Todos os direitos reservados - Ao copiar o artigo para fins de publicação, cite a fonte.

27 de outubro de 2015

O Três Pentecostes, duas mentiras e uma verdade



O 1º Pentecostes

O Senhor Jesus assoprou em seus discípulos e disse: Recebei o Espírito Santo. João 20:22
Os discípulos receberam o Espírito Santos logo após uma instrução do Senhor: ...assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós. João 20:21

Dias depois, o Senhor lhes disse: E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder. Lucas 24:49
Após o Salvador subir ao céu, ao se cumprir o Dia de Pentecostes o Espírito Santo veio sobre um grupo de 120 pessoas. Eles então passaram a falar em outras línguas (nesse caso, idiomas estrangeiros). E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem. Atos 2:4

O resultado desse Poder vindo sobre eles, foi a pregação do Evangelho e a salvação de almas.

Cumpriu-se naquele dia a profecia dita pelo profeta Joel: E nos últimos dias acontecerá, diz Deus, Que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne... Atos 2:17

"Não há relatos bíblicos de alguém correndo desesperadamente pelos corredores do lugar onde os discípulos se encontravam, ou alguém rolando no chão, babando, se contorcendo, gritando, dando gargalhadas assustadoras, caindo no espírito ou até mesmo imitando animais, como lobos e cobras."

O 2º Pentecostes

Seymour (William J. Seymour) e o seu pequeno grupo de novos seguidores se mudaram para a casa de Richard e Ruth Asberry, na rua Bonnie Brae Norte 214, Los Angeles, Califórnia, EUA. Famílias brancas das igrejas de santidade locais também começaram a participar.

O grupo se reunia periodicamente e orava pelo batismo no Espírito Santo. Em 9 de abril de 1906, depois de cinco semanas de pregação e de oração de Seymour, ao terceiro dia de um jejum de 10 dias, Edward S. Lee falou em línguas pela primera vez. Em outra reunião, Seymour compartilhou o testemunho de Lee e pregou um sermão em Atos 2:4-4 e também outras seis pessoas começaram a falar em línguas, incluindo Jennie Moore, que mais tarde se tornaria a esposa de Seymour. 

Alguns dias depois, em 12 de abril, Seymour falou em línguas pela primera vez, depois de orar toda a noite.
Notícias dos acontecimentos na rua Bonnie Brae Norte rapidamente circularam entre os afroamericanos, latinos e brancos residentes da cidade, e durante várias noites, muitos oradores pregariam para a multidão de curiosos e espectadores interessados da varanda da casa dos Asberry.

Membros do público incluíam pessoas de um amplo aspecto de níveis de renda e formação religiosa. Hutchins acabou falando em línguas quando toda a sua congregação começou a frequentar as reuniões. Logo a multidão se tornou muito grande e todos estavam falando em línguas, gritando, cantando e gemendo.

Finalmente, a varanda caiu, forçando o grupo a buscar um novo lugar de reunião. Um morador do bairro descreveu os acontecimentos na Bonnie Brae Norte 214 com as seguintes palavras:

Eles gritaram três dias e três noite. Era época da Páscoa. As pessoas vinham de todas partes. Na manhã seguinte não havia de chegar perto da casa. Assim que as pessoas entravam elas caíam sob o poder de Deus, e a cidade inteira se comoveu. Gritaram tanto que a base da casa cedeu, mas ninguém ficou ferido.


O grupo da rua Bonnie Brae acabou encontrando um edifício disponível no número 312 da rua Azusa.
Em meados de maio de 1906, entre 300 e 1.500 pessoas tentaram se acomodar no edificio. Visto que os cavalos tinham recentemente saído do edificio, as moscas constantemente molestavam os assistentes. 

Gente de uma diversidade de antecedentes, se reuniam para adorar: homens, mulheres, crianças, negros, brancos, latinos, asiáticos, ricos, pobres, iletrados, e letrados. Pessoas de todas as idades ajuntaram-se em Los Angeles com tanto ceticismo e desejo de participar. 

A mistura de raças e a motivação do grupo de mulheres na liderança foi notável, já que 1906 foi o apogeu da "era Jim Crow" da segregação racial, e quatorze anos antes das mulheres receberem o sufrágio nos Estados Unidos.


Os mais diversos relatos sobre o acontecimento logo se fez ouvir:

O Los Angeles Times não foi tão gentil em sua descrição:

As reuniões se realizam num barraco condenado na rua Azusa, e os partidários desta estranha doutrina praticam os mais fanáticos ritos, pregam as teorias mais loucas e eles mesmos funcionam num estado de louca excitação em seu zelo peculiar. Gente de color e uns quantos brancos compõem a congregação, e a noite se torna horrorosa no bairro por causa dos uivos dos fiéis, que passam horas se balançando para frente e para trás numa exasperante atitude de oração e súplica. Eles dizem ter o "dom de línguas" e ser capazes de entender este babel.


Charles Parham também foi afiado em sua crítica:

Homens e mulheres, brancos e negros, se ajoelham juntos ou caem uns sobre os outros; uma mulher branca, talvez com riqueza e cultura, podia se ver lançada aos braços de um 'homem negro', e permanecia firmemente assim se estremecendo e sacudindo em uma louca imitação do pentecostes. Horrível, uma vergonha terrível!.


O 3º Pentecostes

No início de 1994 o mundo evangélico ficou agitado com as notícias de que um avivamento irrompera em uma das Igrejas do Vineyard Fellowship ("Comunhão da Videira") em Toronto, cidade importante do Canadá. Tratava-se da Toronto Airport Vineyard Fellowship ("Comunhão da Videira do Aeroporto de Toronto"), pastoreada pelo pastor John Arnott e sua esposa Carol, também pastora. Evangélicos aos milhares, especialmente pastores (segundo Arnott, mais de 30.000 pastores e líderes) vieram de várias partes do mundo para a Igreja do Aeroporto, para ver e receber a "bênção de Toronto", como ficou conhecido o movimento.

O que faz o movimento diferente do que acontece nas demais igrejas carismáticas do mundo é que ele afirma que Deus os tem visitado com um avivamento em que a presença do Pai torna-se tão intensa, e seu amor tão claramente revelado, que as pessoas são enchidas pela alegria do Espírito Santo, e reagem com gargalhadas, risos incontroláveis, chegando a cair no chão, a rolar de rir. Outras reações físicas mais conhecidas, como "cair no Espírito", tremores, gritos, etc. também estão presentes. Mas é a "gargalhada santa" que tem se tornado a principal característica deste movimento, apesar de que seus líderes sempre procuram dizer que o mais importante é a presença de Deus e as vidas transformadas.

A "bênção de Toronto" tem se espalhado pelas igrejas carismáticas pelo mundo afora. O Brasil não é exceção. As características do movimento já se fazem presente, inclusive em algumas igrejas locais das denominações históricas.

Em 1992 John e Carol Arnott foram a uma conferência de Benny Hinn em Toronto. Ambos se sentiam exaustos e secos no ministério. Sairam da conferência com o propósito de buscar da parte de Deus a "unção" que viram em Hinn (que nas conferências de Benny Hinn se manifesta especialmente pelas pessoas "cairem no Espírito"). Em Novembro de 1993, o casal Arnott foi à Argentina, conhecer o "avivamento" que estava acontecendo através de Claudio Freidzon, um líder das Assembléias de Deus naquele país. 

Numa das reuniões, John e Carol foram à frente, e Freidzon orou por eles. John caiu no chão. Quando se levantou, Freidzon lhe perguntou: "Você quer a unção?" John respondeu, "Quero, sim, quero de verdade". "Então, aqui está ela, receba-a", disse Freidzon, batendo com sua mão espalmada na mão aberta de John. E segundo John relata, naquele momento Deus lhe falou dizendo: "O que você está esperando? Por favor, receba-a, é sua!". E então ele recebeu a "unção" pela fé.

Em Janeiro de 1994 John Arnott convidou Randy Clark, seu amigo e pastor de uma outra igreja Vineyard em Saint Louis, Missouri, nos Estados Unidos, para uma série de conferências. Ouçamos o testemunho do próprio Arnott sobre o que acontenceu:

"No dia 20 de Janeiro de 1994 a bênção do Pai caiu sobre as cento e vinte pessoas que estavam presentes para o culto naquela quinta-feira à noite em nossa Igreja. Randy deu seu testemunho, e o período de ministério começou [o pastor e obreiros oram com imposição de mãos sobre os que vieram à frente em resposta ao apelo]. As pessoas cairam pelo chão debaixo do poder do Espírito, rindo e chorando. Tivemos que empilhar as cadeiras para termos espaço para todos. Alguns tiveram mesmo que ser carregados para fora."                                                                                                              

Arnott diz que a reação das pessoas naquela noite em cair no chão e rolar de rir, às gargalhadas, tomou-o e a Randy de surpresa, pois estavam esperando conversões e curas (além das quedas, naturalmente). 

A partir dai, em cada reunião da Igreja, durante o período de ministração, o fenômeno se repetiu: pessoas caindo de costas no chão (agarradas pelos "apanhadores", uma equipe que se posiciona atrás dos que vão à frente, para ajudá-los a cair sem se machucar), algumas explodindo em gargalhadas, literalmente rolando de rir no chão, outras ficando duras no chão, com os olhos fitando o vazio e as mãos estendidas para o alto.


Devemos julgar os 3 pentecostes em acordo com a PALAVRA DE DEUS


Porventura saiu dentre vós a palavra de Deus? Ou veio ela somente para vós?

Se alguém cuida ser profeta, ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor.

Mas, se alguém ignora isto, que ignore.

Portanto, irmãos, procurai, com zelo, profetizar, e não proibais falar línguas.

Mas faça-se tudo decentemente e com ordem

1 Coríntios 14:36-40 

26 de outubro de 2015

Quanto vale a salvação?



Graça em termos teológicos significa 'favor imerecido', ou seja; o dom (salvação) de Deus herdado pelo homem sem oferecer-Lhe nada em troca.

O apóstolo Paulo disse: "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie."  Efésios 2:8,9 -

Caso a salvação custasse um milhão de reais, apenas uma pequena porcentagem da população do mundo poderiam adquiri-la, e ainda diriam: 'paguei caro pelo resgate da minha alma da condenação'.

Graças a Deus, pelo Senhor Jesus, que entregou a Sua vida pelo resgate do mundo todo (João 3:16,17). O Seu sangue derramado na cruz, nos concede o direito a salvação eterna, sem custo algum para o pecador, tão somente pela GRAÇA, que é de graça.

Quando a GRAÇA não tem graça

Pela graça de Cristo passamos pela 'porta estreita'. O Senhor Jesus assim nos adverte: "ESFORÇAI-VOS por entrar pela porta estreita; porque eu vos digo que muitos procurarão entrar, e não poderão." Lucas 13:24

Mas, se a GRAÇA é de graça, porque a necessidade do ESFORÇO?

Jesus ainda disse: "E, desde os dias de João o Batista até agora, se faz violência ao reino dos céus, e pela força se apoderam dele." Mateus 11:12 - Ao que parece, mais uma vez o 'Dono da GRAÇA' nos adverte sobre a importância do ESFORÇO para se adquirir a salvação imerecida (pela graça).

Parece um contraste, mas não é. Tudo na vida seria mais fácil se não houvesse uma oposição, uma força contrária que tenta nos impedir.

Satanás se opõe incansavelmente ao Reino de Deus, e tenta o tempo todo nos impedir de conquistarmos a nossa redenção. Logo; mesmo a salvação sendo pela GRAÇA do sacrifício único e perfeito de Cristo na cruz, ainda assim, temos que lutar incessantemente contra o opositor. Para isso, tem que haver SACRIFÍCIO, esforço, atitude, ação e obras para que a salvação e as muitas bençãos de Deus sejam conquistadas.

Abandonar os vícios, largar o (a) amante, perdoar os que ofenderam, ser honesto para com todos, falar sempre a verdade, são alguns dos esforços do homem para poder entrar pela estreita porta da GRAÇA, a porta da vida eterna. Alguns sacrifícios são necessários para que a GRAÇA superabunde em nós, como diz as escrituras: "...onde o pecado abundou, superabundou a graça." Romanos 5:20 - Quanto maior é a dívida, maior é o perdão.

Quando não tem graça

É importante o cristão ficar atento quanto a proposta do Evangelho Fácil, o evangelho do 'tudo pode' oferecido por muitas igrejas nesses tempos, utilizando de forma equivocada a palavra da Graça Divina.

Esse falso evangelho, que tem graça, mas não tem graça, permite que muitas práticas mundanas estejam se infiltrando dentro das igrejas (não me refiro aos costumes denominacionais), levando muitos desavisados ao enfraquecimento da fé, e, ao abandono da verdadeira GRAÇA de Deus, conquistada pelo SACRIFÍCIO de Cristo na cruz.

O alerta de Deus é esse: "Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor." Hebreus 12:14

Respeite o direito autoral. Ao copiar o artigo para publicação, cite a fonte.

24 de outubro de 2015

Eduardo Cunha, um mal exemplo para a igreja evangélica brasileira

Deputado Eduardo Cunha participando de um culto evangélico

O deputado federal Eduardo Cunha recebeu o apoio de muitos líderes evangélicos quando assumiu a presidência da câmara dos deputados, não apenas recebeu apoio como elogios.
O próprio deputado teria comentado em um culto evangélico que "Deus teria posto ele na presidência da câmara dos deputados".
Foi gritado aos quatro ventos que o novo presidente da câmara professava a fé evangélica. O que muitos não sabiam ainda é que o 'irmão Cunha' estaria envolvido em um escândalo de corrupção.
Com a notícia de que o deputado pastor teria R$ 9,6 milhões em contas na Suíça, provenientes de corrupção, muitos acabaram ficando escandalizados.

Cunha é na verdade um mal exemplo para a igreja evangélica brasileira, tornou-se uma pedra de tropeço para milhões de pessoas.

Quanto aos escândalos lemos na Palavra de Deus:


Mas se alguém fizer tropeçar um destes pequeninos que crêem em mim, 
melhor lhe seria amarrar uma pedra de moinho no pescoço 
e se afogar nas profundezas do mar.
Mateus 18:6


                                                                                                                                  Bispo André Santos

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...